Três ideias de Vygotsky para pensar a educação | E-docente Três ideias de Vygotsky para pensar a educação | E-docente

TRÊS IDEIAS DE VYGOTSKY PARA PENSAR A EDUCAÇÃO

01 de julho, 2021 - Por e-docente

Compartilhar

Lev Semionovich Vygotsky (Belarus, 1896-1934), principal representante da chamada abordagem histórico-cultural, produziu uma vasta obra sobre o funcionamento psicológico dos seres humanos. Os princípios básicos que fundamentam sua teoria podem ser assim enunciados:

? o psiquismo é tomado não como um fenômeno do indivíduo, encapsulado em um corpo ou em uma mente individual, mas como um processo historicamente constituído, no qual a relação entre os sujeitos no interior de situações culturalmente estruturadas é fundamental.

? é essencial estudar e compreender o pertencimento do homem ao mundo biológico, como membro de uma espécie animal, e ao mundo histórico e cultural, no qual se encontra inserido, e como esses mundos interagem na constituição do sujeito tipicamente humano. 

As 3 proposições fundamentais de Vygotsky

As ideias de Vygotsky que têm particular relevância para a educação dizem respeito à educação escolar e também aos processos educativos que ocorrem fora da escola. Podem ser sintetizadas em três proposições fundamentais:

1. O DESENVOLVIMENTO DEVE SER OLHADO DE MANEIRA PROSPECTIVA, ISTO É, PARA AQUILO QUE ESTÁ POR VIR:

  • Em contraste com o foco nas conquistas já consolidadas no desenvolvimento do sujeito, Vygotsky enfatiza a importância dos processos de transformação, da emergência daquilo que é novo. Em qualquer idade e em qualquer situação, o sujeito sempre aprende, sempre se transforma.
  • É com essa preocupação com a emergência da novidade que Vygotsky cria o conceito de Zona de Desenvolvimento Proximal, que se refere a um espaço onde se encontram, funções psicológicas ainda não consolidadas, mas já presentes em estado embrionário. Esse é o espaço privilegiado para a compreensão dos processos de desenvolvimento e para a intervenção educativa. 

2. OS PROCESSOS DE APRENDIZADO MOVIMENTAM PROCESSOS DE DESENVOLVIMENTO:

  • A trajetória do desenvolvimento é postulada por Vygotsky como ocorrendo “de fora para dentro”. Isto é, o sujeito se desenvolve por estar constantemente submetido a processos de aprendizagem no meio em que vive. 
  • Aqui há um contraste importante com as ideias de Piaget. De forma simplificada, podemos dizer que Piaget concentra-se nos processos de desenvolvimento que possibilitam aprendizagem, enquanto Vygotsky, focaliza sua atenção nos processos de aprendizagem que promovem desenvolvimento.

3. A ATUAÇÃO DOS OUTROS MEMBROS DO GRUPO CULTURAL É ESSENCIAL NA MEDIAÇÃO ENTRE A CULTURA E O SUJEITO:

  • Processos interpsicológicos (aqueles que ocorrem na relação entre pessoas), serão posteriormente internalizados e se tornarão processos intrapsicológicos, reconstruídos no interior do sujeito. 
  • Essa mediação acontece tanto pela imersão do sujeito em ambientes, situações e atividades culturais, quanto pela intervenção deliberada de membros mais maduros da cultura na promoção do desenvolvimento. 
  • Nas sociedades escolarizadas, a escola é uma instituição essencial na promoção de processos de desenvolvimento psicológico que não ocorreriam espontaneamente. 

Leia também: Paulo Freire: uma breve e interessante história de um educador.

É importante destacar algumas peculiaridades do ensino escolar:

a) O ato pedagógico é intencional, afastando-se daquilo que é “espontâneo” ou “natural”. 

b) O bom ensino é aquele que se adianta ao desenvolvimento. 

c) A escola é um lugar de ruptura com o mundo cotidiano, cujo foco está nas modalidades de pensamento diferentes daquelas predominantes no senso comum; destacam-se aqui a língua escrita, o pensamento científico e o pensamento teórico.

d) A escola é um lugar de transcendência – ao trabalhar com conceitos abstratos, com corpos de conhecimento organizados em sistemas conceituais, com saberes não referenciados ao mundo da experiência sensível nem ao campo das vivências concretas de cada sujeito, a escola promove o descolamento do indivíduo das situações práticas vivenciadas, da experiência pessoal e das informações perceptuais imediatas. Favorece o desenvolvimento de pensamento descontextualizado, reflexão, análise, planejamento e autorregulação.

Marta Kohl de Oliveira

Docente aposentada da Faculdade de Educação da USP (área de Psicologia da Educação), estudiosa da psicologia histórico-cultural, pesquisadora das relações entre desenvolvimento psicológico e práticas culturais, com foco no problema das relações entre escolarização e desenvolvimento do pensamento. Tem graduação em Pedagogia pela Faculdade de Educação da USP, mestrado e doutorado em Psicologia da Educação pela Universidade de Stanford e pós-doutorado junto ao Laboratory of Comparative Human Cognition, da Universidade da Califórnia, San Diego. É autora de “Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento, um processo sócio-histórico” (Scipione, 1993) e de “Cultura e Psicologia: questões sobre o desenvolvimento do adulto” (Hucitec, 2009), co-autora de “Piaget, Vygotsky, Wallon” (Summus, 1992) e de “Piaget, Vygotsky: novas contribuições para o debate” (Ática, 1993) e co-organizadora de “Literacy in human development” (Ablex, 1998), “Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem” (Ícone, 1988) “Investigações cognitivas: conceitos, linguagem e cultura” (Artes Médicas, 1999),  “Ofício de professor: aprender para ensinar” (Fundação Victor Civita, 2001) e de  “Psicologia, Educação e as temáticas da vida contemporânea”  (Moderna, 2002).

Compartilhar


Deixe seu comentário