Saúde mental pós-pandemia, neurociências e aprendizado Saúde mental pós-pandemia, neurociências e aprendizado

Saúde mental pós-pandemia, neurociências e aprendizado

29 de julho, 2022 - Por e-docente

Compartilhar

Por mais únicos que sejamos como indivíduos, todos nós compartilhamos de uma estrutura biológica que funciona de forma semelhante.

Nossa saúde física e mental depende diretamente do bom funcionamento dessa “máquina biológica” (cérebro-corpo).

Falar de adoecimento mental é falar sobre o sistema operacional de nossas emoções que, por sua vez, se relaciona diretamente com nosso comportamento.

Se pensamos e sentimos, só o fazemos pois temos um cérebro (e outras regiões encefálicas) que coordena tudo isso.

Mas, assim como uma máquina ligada 24h por dia e sem manutenção em algum momento quebra, nosso cérebro faz o mesmo: se o usarmos de maneira indevida, exagerada ou sem cuidado, ele adoece.

Quer saber mais sobre saúde mental pós-pandemia, neurociências e aprendizado? Confira o conteúdo que preparamos!

Qual a relação entre saúde mental pós-pandemia, neurociências e aprendizado?

Qual a relação entre saúde mental pós-pandemia, neurociências e aprendizado?

Somos seres integrais, e isso significa que o biológico, o neurológico, o social e o emocional é um todo indissociável.

Sendo assim, uma questão social pode impactar diretamente na saúde, assim como um problema de saúde pode impactar no comportamento, no emocional e, por consequência, na atuação social do indivíduo. Logo, um cérebro adoecido não aprende da mesma forma que um cérebro saudável.


Nunca se falou tanto em saúde mental, principalmente depois da época mais crítica da pandemia, que foi entre 2019 e 2022.

Ficamos praticamente isolados por dois anos, mudamos a rotina da noite para o dia, tivemos que nos adaptar a uma vida totalmente remota, perdemos amigos, familiares e conhecidos para a Covid-19, entramos em luto coletivo, a economia esmoreceu, muitos perderam o emprego e, com tudo isso, a ansiedade e o medo se instalaram coletivamente.

Toda essa realidade afetou o emocional de todos nós, mas, certamente, algumas pessoas foram mais abaladas que outras, o que possivelmente abriu portas para um adoecimento mental mais grave.

Mas, o que tudo isso tem a ver com neurociências e rendimento escolar ou com o aprendizado? Saiba mais a seguir!

Neurociências, rendimento escolar e aprendizado

Neurociências, rendimento escolar e aprendizado

As neurociências já mapearam o mecanismo neurobiológico do estresse e, de acordo com as pesquisas, quando sofremos um forte impacto ou pressão emocional que gera altos níveis de estresse, nosso sistema pode sucumbir.

A equação é fácil de entender: estresse alto = excesso de cortisol em nossa corrente sanguínea = propensão para adoecimento físico como hipertensão e mental, como depressão e ansiedade.

Uma vez estressado, pelo motivo que for, regiões do sistema emocional (conhecido por sistema límbico) nos deixam em constante estado de alerta, o que faz com que o foco do cérebro se volte para tentar resolver o “iminente perigo”.

Isso faz com que o cérebro “avise” o corpo de que precisamos nos proteger. Sendo assim, para que possamos ter atenção suficiente para fugir do perigo, energia adequada para correr ou força suficiente para lutar, algumas glândulas de nosso corpo lançam em nossa corrente sanguínea cortisol, adrenalina e noradrenalina, levando nosso corpo a mudar seu estado de relaxamento para estado de alerta.

Com isso, ficamos momentaneamente mais atentos, o coração bombeia mais sangue para os músculos (para poder lutar ou correr), nossa pupila dilata, o intestino para de peristáltica, dentre outras alterações biológicas.

Esse é um mecanismo de defesa muito antigo em nosso sistema biológico e que funciona de forma automática.

Nós sobrevivemos como espécie até os dias de hoje boa parte por causa desse eficaz mecanismo de “luta-fuga”. O problema é que o correto é ele ser acionado somente quando estamos num real perigo de morte ou com um medo muito intenso.

Acontece que, se nos sentimos ansiosos, inseguros, com medo do que pode acontecer, seja esse medo real (estar com uma arma apontada para a cabeça) ou imaginário (medo de morrer de covid mesmo sem estar com a doença, por exemplo), o sistema dispara da mesma forma.

Isso significa que, se passamos por momentos de muita tensão por muito tempo, deixamos nosso sistema de alerta acionado e é aí que mora o perigo, pois, assim como um motor ligado 24h pode fundir, o sistema de alerta ligado por mais tempo do que deveria pode prejudicar nossa saúde.

O cortisol é o hormônio do estresse, que é responsável por nos ajudar a focar a atenção e reter energia para resolver um problema. Mas, caso nosso corpo libere mais cortisol do que consegue metabolizar, isso passa a ser nocivo para nós.

Nada em excesso ou em falta faz bem para nossa mente ou corpo: sal em excesso pode afetar os rins, álcool em excesso pode afetar o fígado e cortisol em excesso pode afetar o cérebro.

O importante é sempre o equilíbrio. Sendo assim, o excesso de cortisol pode, com o tempo, prejudicar nossa memória, uma vez que ele começa a “destruir” as células nervosas do hipocampo, uma região central do sistema límbico que gerencia nossas memórias conscientes.

E sem memória não há aprendizado. Se o cérebro não é capaz de registrar as informações que são importantes, não é possível consolidar o aprendizado. Somos quem somos, porque temos memória, já diria Ivan Izquierdo (2004).

Além disso, o estresse em excesso pode levar a alterações no sono e sono alterado, além de adoecer, pode influenciar negativamente o rendimento acadêmico uma vez que as neurociências já provaram que o sono é um elemento primordial na manutenção da saúde, do bem-estar e do aprendizado.

A memória, assim como a atenção, também está ligada ao sono, como coloca Chedid (2017); dormir pouco reduz a capacidade de manter a atenção em uma tarefa, afetando o desempenho escolar; dificulta a realização de atividades cognitivas; aumenta a sonolência diurna; e altera o humor.

Ou seja, o excesso de estresse pode produzir uma série de distúrbios orgânicos e mentais, dentre eles: distúrbio de aprendizagem, deterioração da memória, lentificação  no   desenvolvimento   do   raciocínio, alteração nas funções executivas,  comprometimento   das   tarefas   motoras,   aumento   da  sensibilidade  à  dor,  rebaixamento   da   atenção, declínio  da  força  muscular,  aumento  da  irritabilidade  e  fadiga  e aumento da possibilidade de desenvolvimento de distúrbios psiquiátricos, neurológicos e cognitivos.

Sendo assim, precisamos urgentemente pensar na saúde mental como um fator fundamental não somente para o bem-estar, mas para a vida e para o aprendizado.

A temática saúde mental precisa ser mais debatida no âmbito escolar e universitário – não somente para os estudantes, mas também para os docentes que sofrem muitas pressões. Ainda mais agora, em que estamos passando por um momento inédito de pós-pandemia mundial, o tema saúde mental é e será cada vez mais urgente e necessário.

Gostou de saber mais sobre como trabalhar a Educação Física na erradicação do Bullying?? Então, descubra agora os desafios e possibilidades do ensino de gramática!

Prof. Dra. Viviane Louro é pianista, educadora musical e neurocientista. Docente do departamento de música da Universidade Federal de Pernambuco, onde, além de lecionar, coordena os seguintes projetos: PROBEM DO CAC (programa para saúde mental dos estudantes de música); Liga Acadêmica de Neurociências Aplicada (LIANA); Especialização em Neurociências, Música e Inclusão; e Comissão de humanização e saúde mental da UFPE. Autora de 8 livros na área de educação musical inclusiva e palestrante sobre as áreas de neurociências da música, psicomotricidade e música e educação musical inclusiva. Atualmente, está se especializando em Criminal Profile e psicologia investigativa.

Referências

ADÃO, Anabel do Nascimento. A ligação entre memória, emoção e aprendizagem. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 6., 2013, Curitiba. Anais […]. Curitiba: Universidade Católica do Paraná, 2013.

ALMONDES, Katie Moraes de; ARAÚJO, John Fontenele de. Padrão do ciclo sono-vigília e sua relação  com  a  ansiedade  em  estudantes  universitários. Estudos  de  Psicologia, Rio  Grande  do  Norte, v. 1, n. 8, p. 37-43,  2003.

ANDREOLI, Carla. Mecanismo do estresse. Disponível em: https://www.fef.unicamp.br/fef/qvaf/mecanismo-do-estresse . Acesso em 09 de Maio de 2021.

BRITTO,  Priscylla  Souza. Música  e  Neurociências: O  impacto  neurofisiológico  da  rotina  do  estudante universitário de música. 2019. 45 f. TCC (Graduação) – Curso de Música, Departamento de Música, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2019.

CHEDID, kátia. Sono e aprendizagem: o que diz a neurociências. Matéria escrita no Site Geekie em 2017. Disponível em <https://site.geekie.com.br/sobre-a-geekie/ > Acesso em Maio de 2021.

IZQUIERDO, Ivan. A arte de esquecer. Rio de Janeiro: Vieire & Lent, 2004.

JOCA, Sâmia et al. Estresse, depressão e hipocampo. Revista Brasileira de Psiquiatria, 2003; v. 25, Supl . II, p. 46- 51.

KANDEL, Eric. R. Em busca da memória: o nascimento de uma nova ciência da mente. Trad: Rejane Rubino. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

LOURO, Viviane; LOURO, Fabiana; DUARTE, Plínio. O estresse gerado pela pandemia como risco para adoecimento mental e físico do músico a partir das neurociências cognitivas. Revista Música  v. 20 n. 2 – Dossiê Música em Quarentena Universidade de São Paulo, Dez. de 2020.

MARGIS, Regina, et al. Relação entre estressores. Psiquiatria. RS, 25 (suplemento 1): 65-74, abril 2003.

PAIVA, T. Bom sono, boa vida. (7aEd.). Alfragide: Oficina do Livro, 2015.

Compartilhar


Deixe seu comentário