Carnaval na escola: como trabalhar a data? | E-docente Carnaval na escola: como trabalhar a data? | E-docente

Como trabalhar o carnaval em sala de aula?

25 de fevereiro, 2022 - Por e-docente

Compartilhar

As festividades são, de uma maneira geral, manifestações culturais enquanto celebrações de crenças, de marcos históricos, religiosos ou sociais, que trazem identidade às comunidades.  

Portanto, quando trazemos as festas para a escola, é preciso que a conheçamos como parte de uma cultura. É preciso investigá-las e determinar de forma clara quais serão as nossas intenções para, a partir disso, elaborar uma sequência didática com o intuito de dar significado pedagógico à festa.

No entanto, opondo-se a uma concepção estanque de cultura, é preciso termos consciência de que a cultura é produzida por nós, está em constante construção e conhecê-la é uma forma de preservá-la. Mas, a depender do modo como entendemos a valorização de manifestações culturais, podemos evidenciar práticas e pensamentos preconceituosos. Portanto, a cultura é sempre nossa, deve ser construída e respeitada por todos e todas. 

Diante do já colocado, é evidente que pedir às crianças que venham fantasiadas na sexta-feira, antes dos feriados carnavalescos, não é exatamente realizar um trabalho sobre o carnaval como manifestação cultural. 

Como trabalhar o carnaval em sala de aula?

Já dissemos que a cultura está em constante construção e reconstrução, portanto pode ser um bom começo, para o trabalho com essa ideia, a relação entre o carnaval e o tempo. 

É muito comum pedirmos aos estudantes que perguntem aos mais velhos como brincavam o carnaval quando crianças e, a partir dessa pesquisa, comparar com as manifestações carnavalescas contemporâneas.  

Mas sugiro que devamos começar sobre as vivências de carnaval dos nossos alunos e alunas, que relatem e registrem suas vivências e depois coletem experiências de outros tempos. Assim, poderão comparar e destacar transformações e permanências, sem necessariamente apresentar juízos de valor.

Dependendo da faixa etária, essa comparação poderá ser enriquecida pela busca de razões das transformações, como tipos de fantasias e adereços, canções, locais das festividades etc. 

Quando sugerimos que nossos alunos e alunas façam entrevistas, precisamos instrumentalizá-los e, para isso, uma boa forma poderá ser a elaboração de perguntas coletivamente. Assim, será possível fazer com que pensem o que querem saber e qual é a melhor forma de perguntar. 

Não podemos esquecer que é muito importante coletar nome e idade. E o registro? Também é algo a ser trabalhado e muitas alternativas podem ser apresentadas: um estudante pergunta e outro escreve, o entrevistado responde por escrito, as respostas podem ser  gravadas e  até filmadas, entre outras possibilidades.  

Ter várias opções poderá ser muito importante para atender alunos e alunas com diferentes necessidades. Organizar as diferentes experiências cronologicamente será um facilitador para que os estudantes pensem sobre as transformações e permanências do carnaval. 

Abordar as diferentes formas de curtir o Carnaval

Moramos em um país formado por muitas culturas, e tratar a cultura no plural, pode significar muito na formação de nossos alunos e alunas. Garantir o olhar para essa pluralidade não é algo simples, embora fundamental.

A partir do registro proposto no item anterior, sobre como os estudantes vivem as manifestações carnavalescas, outra pergunta poderá desorganizar muitas ideias: todos os brasileiros festejam o carnaval da mesma forma? 

A partir dessa provocação, um convite pode se instaurar: vamos, então, investigar? 

Mas, antes, cada estudante poderá registrar sua resposta a essas perguntas e, depois da pesquisa feita, comparar os conhecimentos que tinham a respeito do assunto com o que passaram a saber com a descoberta. 

É nosso papel fazer com que nossos alunos e alunas percebam que estão aprendendo e reflitam sobre os benefícios de construir novos conhecimentos, de ampliar os repertórios socioculturais. 

Cada estudante poderá buscar as manifestações carnavalescas de um estado brasileiro, e a montagem de um grande painel com desenhos e escritas será um apoio para a conversa sobre as muitas culturas brasileiras e como somos parte de tudo isso.

Abordar os sons do carnaval

Outra abordagem sobre a diversidade de festejos carnavalescos, no Brasil, poderá ser a musicalidade. Cada canto do Brasil tem um gênero de música a ser explorado pelos estudantes: marchinhas, batucadas, samba-enredo, afoxé e muitos outros. 

O painel sugerido no item anterior poderá servir de apoio para o registro de diferentes músicas de carnaval. Mais uma forma de visualizar a diversidade cultural brasileira. 

Abordar a origem do carnaval

Mais uma vez, sugiro que respondam à pergunta antes da pesquisa. Conhecer o que os nossos alunos e alunas trazem pode ser um instrumento valioso para conhecermos nossos estudantes, seus repertórios e suas visões de mundo.

Dependendo da faixa etária, com a qual esteja trabalhando, sugiro: 

  • Leitura para o grupo sobre a história do carnaval e registro de fatos que tenham chamado a atenção. Não se trata de um registro geral, mas de algo que seja considerado importante ou diferente para, depois, comunicarem seus registros à classe.
  • Leitura dos alunos e alunas de um breve texto que exponha parte da história do carnaval e levantamento de informações surpreendentes. Se todos e todas compartilharem as surpresas, boa parte do texto será explorada. Uma boa sugestão de texto é Origens do Carnaval
  • Pesquisa coletiva: essa é uma forma de evitar a simples reprodução, a famosa prática do “copia e cola” ou, a depender do letramento digital, o par “ctrl c + ctrl v”. Os alunos e alunas deverão buscar duas informações sobre a origem do carnaval ou sua história em revistas, livros ou na internet. Coletivamente, todos compartilham seus registros e produzem um texto também coletivo. Quando pronto, o grupo poderá identificar o que está faltando, o que há a mais para pesquisar e completar o texto em outro momento. 

Abordar como são escolhidas as datas do carnaval

Todos sabemos que o carnaval é uma data móvel e pode ser um desafio fazer com que os estudantes percebam isso, pesquisando datas de carnavais em diferentes anos. A partir dessa constatação lançar o desafio: como esse cálculo é feito? 

Depois da descoberta, poderão desafiar os adultos que vivem ao seu entorno a responderem à pergunta e constatarão que pouca gente sabe fazer esse cálculo e poderão ensiná-las. 

Essa proposta atende alunos a partir do 5º ano. Com isso, perceberão como é gostoso aprender, mas também é muito gostoso ensinar.

Para esse tópico, sugiro como leitura o texto Carnaval 2021: entenda por que data do feriado muda a cada ano

Mariângela Bueno

Graduada em História e Pedagogia, trabalha com formação de professores e professoras em redes privadas e públicas na área das Ciências Humanas e Sociais e, nessa área, é selecionadora do Prêmio Educador Nota 10 desde 2018.

Compartilhar


Deixe seu comentário