A Amazônia e a Base Nacional Comum Curricular – por Helena Pacca

10 de setembro, 2019 - Por e-docente

Compartilhar

Material de divulgação das editoras Ática, Saraiva e Scipione.
Não constitui documento oficial a respeito do PNLD.

Considerada a maior floresta tropical do mundo, a Amazônia cobre grande parte do noroeste do nosso país. Recentemente, muito tem se falado sobre o desmatamento da Amazônia. Convidamos a bióloga Helena Pacca para falar um pouco sobre a relação da floresta com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e a luta pela redução da pegada ecológica.

Helena Pacca é uma das autoras da coleção Teláris Ciências, aprovada no PNLD 2020. Antes de seguir com a leitura, veja alguns diferenciais do material didático:

E o que o fogo na Amazônia tem a ver com a BNCC?

É verdade que as queimadas na Amazônia sempre existiram, mas elas estão muito longe de ser um fenômeno natural. O fogo é usado na região há anos por produtores para abrir espaço principalmente para a agricultura e para a pecuária. Essas queimadas são geralmente criminosas porque fogem do controle e ameaçam o ecossistema, em especial na estação seca.

Para além do tempo seco, o próprio desmatamento tem potencial para aumentar a área das queimadas. Ou seja, há um ciclo que retroalimenta a destruição da Amazônia, substituindo a floresta por pasto, agricultura, hidrelétrica e parques de mineração, e diminuindo sua capacidade de regeneração.

O que está diferente este ano então?

De acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), o desmatamento aumentou muito entre agosto de 2019 e julho 2018. O desmatamento, as queimadas e as condições climáticas potencializaram os incêndios e os tornaram mais visíveis a quilômetros de distância, nas regiões sudeste e sul.  

Em certo sentido, esse aumento da visibilidade foi positivo, servindo como importante alerta sobre os impactos ambientais causados pelas atividades humanas: a degradação (queima e desmatamento) de florestas constitui a segunda maior fonte de gases do efeito estufa, como o CO2, ficando atrás somente da queima de combustíveis fósseis (carvão, gás e derivados do petróleo).

Aproveite para conferir uma conversa com a autora sobre a coleção Teláris Ciências:

A floresta Amazônica também tem um papel fundamental no regime de chuvas em toda a América do Sul. A floresta retira água do solo e a devolve para a atmosfera, dando origem aos chamados rios voadores. Eles são formados por massas de ar úmido que levam vapor de água para as regiões Centro-oeste, Sudeste e Sul do Brasil, além de influenciar na formação de chuvas na Bolívia, no Paraguai e na Argentina, por exemplo.  

A preservação da floresta, portanto, é primordial na regulação do clima regional, por meio dos rios voadores; e global, pela retenção do CO2. Além de seu papel regulador, a Amazônia abriga a maior biodiversidade do mundo: mais de 120 mil invertebrados, 3 mil peixes, 427 anfíbios, 1,2 mil aves e 40 mil plantas. 

Temas como esse sempre foram trabalhados no ensino de Ciências, mas ganharam ainda mais importância com a BNCC. Os impactos ambientais, os fenômenos naturais, o equilíbrio termodinâmico, o clima, a diversidade de ecossistemas e a preservação da biodiversidade, que observamos na prática nos incêndios na Amazônia, são também reconhecidos como objetos de conhecimento da BNCC.

O fogo na Amazônia, infelizmente, não é novidade. Mas temos que concordar que a forma como tem ocorrido este ano tem um papel reflexivo fundamental. Essa tragédia voltou como tema de discussão na sociedade, evidenciando ainda a relevância da educação e, especialmente, do ensino de Ciências.

É necessário conhecer meios para a implementação da BNCC na prática pedagógica. Baixe o e-book gratuito e veja como levar a Base para dentro da sala de aula.

cta-como-trazer-a-bncc-para-a-sala-de-aula

Compartilhar


Deixe seu comentário